sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Desvendando o original grego – “Ditos de Jesus” – Mateus 3:15

Iniciamos com a primeira frase dita por Jesus no Evangelho de Mateus, capítulo 3, versículo 15. Analisaremos, primeiro, algumas das traduções em português:
“Mas Jesus lhe respondeu: Deixa por enquanto, porque, assim, nos convém cumprir toda a justiça. Então, ele o admitiu.” (Mateus 3.15.) João Ferreira de Almeida Revista e Atualizada.
“Jesus, porém, lhe respondeu: Consente agora; porque assim nos convém cumprir toda a justiça. Então ele consentiu.” (Mateus 3.15.) João Ferreira de Almeida Atualizada
“Mas Jesus respondeu: Deixe que seja assim agora, pois é dessa maneira que faremos tudo o que Deus quer. E João concordou.” (Mateus 3.15) Nova Tradução na Linguagem de Hoje.
“αποκριθεις δε ο ιησους ειπεν αυτων αφες αρτι ουτως γαρ πρεπον εστιν ημιν πληρωσαι πασαν δικαιοσυνην τοτε αφιησιν αυτον.” (Mateus 3.15.) Grego Nestle.
“apokritheis de o iêsous eipen auton aphes arti outôs gar prepon estin êmin plêrôsai pasan dikaiosunên tote aphiêsin auton.” (Mateus 3.15.) Grego Transliterado.
Bem, em primeiro lugar, se analisarmos o texto original grego acima, teríamos a seguinte tradução literal:
“Respondendo ainda o Jesus disse a ele: Deixe em agora dessa maneira pois obrigação é para nós preencher toda justiça. Então ele deixa ele.” (Mateus 3.15.) Tradução literal de Daniel Lopez.
A partir da tradução literal, vemos uma diferença. Em vez de “nos convém cumprir toda a justiça”, lemos “obrigação é para nós preencher toda justiça”. Os verbos “convir” e o substantivo “obrigação” trazem ideias bem diferentes. Não apenas era conveniente que João Batista consentisse em batizar Jesus, mas era obrigação de ambos, que foram comissionados por Deus para realizar aquele ato. Deus ordenou (e não apenas aconselhou) João a batizar Jesus, e Jesus foi ordenado por Deus para ser batizado.
Outra diferença são os verbos “cumprir” e “preencher”. A raiz do verbo “cumprir” exprime mais claramente a ideia do termo grego. O verbo cumprir vem do latim “complere”, fruto da união do prefixo de intensidade “com”, unido a “plere”, do latim “plenus”, ou seja, “pleno”, ou “cheio”. Ou seja, o batismo de Jesus foi o complemento de atos e profecias que já haviam sido realizados no passado.
O trecho mais interessante é a parte que diz “toda justiça”. Este, me parece, é o trecho que mais erroneamente é compreendido. Em grego, está escrito πασαν δικαιοσυνην (pasan dikaiosunên). A palavra grega não nos elucida muita coisa. O termo dikaiosunên vem de δικαιος (dikaios – “justo”, “correto”, “santo”), relacionado a δικη (dike – “justo”). Todavia, o interessante é imaginar o que teria sido dito por Jesus em hebraico ou aramaico. Aí teríamos a correta referência ao que Jesus teria buscado dizer quando falou sobre “cumprir toda a justiça”.
A frase “toda justiça” poderia ter sido dita em hebraico כָל־צְדָקָה (kol tsdaqah). A palavra “tsdaqah” significa justiça, correção. Todavia, Michaelis sugere que a expressão original utilizada por Jesus foi “kol chok”, remetendo a todos os estatutos e ordenanças religiosas. A ordenança aqui referida é a inauguração da dispensação do batismo. Agora, assim como Cristo havia sido submetido à circuncisão, que era a ordenança iniciatória da era mosaica, ele agora, na posição de um profeta e legislador à altura de Moisés (na verdade, maior do que Moisés) inaugura a era da Graça.
Da mesma maneira que o sumo sacerdote judaico era iniciado em seu ofício através de um banho e de uma unção, Jesus, nosso sumo sacerdote, foi lavado nas águas e batizado com o Espírito Santo. Dessa maneira, Jesus se tornou um Sumo Sacerdote capaz de oferecer um holocausto em favor dos pecados da humanidade.
O último trecho também revela algo interessante, quando lemos que João Batista concordou em batizar Jesus. Na Opus Imperfectum, há uma adição ao final deste versículo 15 de Mateus 3 que nos dá uma idéia da grandeza deste evento: Et Johannes quidem baptizauit ilium in aqua, ille autem Johannem cum Spiritu. (“Então João o batizou nas águas, e ele batizou João com o Espírito”).

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...